29 de set de 2012

Lançamento - Romances em Fragmentos

Depois de um tempão re-revisando o arquivo, finalmente enviei ao Clube de Autores mais um livrinho \o/

Trata-se da coletânea "Romances em Fragmentos", da Série Snake Storie's, com 5 contos de romance e magia distribuídos ao longo de 144 páginas.

Um dos contos, "Samhain", também foi publicado anteriormente na antologia "Beijos e Névoas" e está disponível para download, que acaba por servir de degustação tanto para a "Beijos" quanto para a "Romances".

E se quiser ler as primeiras páginas, conhecer a página no Clube de Autores e até mesmo adquirir a obra, acesse:


Capa inteira e orelhas: tudo bem colorido e ilustrado como a autora gosta XD


28 de set de 2012

Resenha - K'ien, por Jossi Borges

A noveleta K'ien ganhou a sua primeira resenha pelas mãos-de-fada de Jossi Borges, escritora, blogueira e web-designer.
Confira o que a parceira tem a dizer sobre o conto... talvez você até se anime a lê-lo online ou baixar a versão pdf para ler em qualquer lugar, a qualquer hora :)


Abaixo, uma compilação explicativa sobre os Trigramas do I-Ching, a arte divinatória e filosófica que influenciou e muito na construção de K'ien ^^

TRIGRAMA
O simbolismo chinês dos trigramas, cujo princípio teria sido revelado a Fu-hi (século XXIV antes de Cristo) por um dragão saído de um rio, baseia-se na combinação de duas determinações — o traço contínuo corres­ponde ao yang, o descontínuo ao yin. Todas as modalidades do desenvolvimento da ma­nifestação, a partir da polarização da Uni­dade primeira, exprimem-se portanto, em quatro diagramas, em seguida, ern oito tri­gramas que resumem todas as possibilida­des de combinações ternárias, portanto, perfeitas, do yin e do yang: o yin e o yang concertam-se e harmonizam-se, diz Tchu-ang-tse. No ternário, os três traços super­postos correspondem à situação respectiva do Céu, do Homem e da Terra; daí vêm as práticas adivinhatórias derivadas do I-Ching. Combinados de dois em dois, em forma de hexagrama*, os oito trigramas (pakua) constituem 64 hexagramas super­postos, celestes e terrestres, respectivamen­te.
Os trigramas são dispostos em círculo em torno do yin-yang*, cuja manifestação eles exprimem sob todos os seus aspectos. O I-Ching é o livro da mutação circular dos trigramas. A forma primitiva do caracter yi seria a do camaleão. Assim, os trigramas vêm corresponder aos oito ventos (as oito direções do espaço), aos oito (ou melhor, nove) elementos, pois a terra está no centro. Correspondem às oito colunas do Ming-t'ang, aos oito raios da hora e, por analo­gia, aos oito caminhos da Via búdica. Existem duas disposições tradicionais di­tas de Fu-hi, ou do Céu anterior (Sien-fien) e de Wen-wang, ou do Céu posterior (Heu-t'ien). Não parece haver nenhuma hierar­quia de valor entre essas duas disposições igualmente utilizadas, mas a primeira é re­lacionada a Hot'u, e a outra, a Lo-chu de Yu-o-Grande: é a passagem da cruz simples à suástica, da estabilidade inicial ao movi­mento. É preciso não esquecer que as inter­pretações adivinhatórias — secundárias e, até certo ponto, decadentes, mas às quais o caracter kua parece referir-se — são atri­buídas a Wen-wang. O I-Ching, diz Tscheu T'ucn-yi, contém os arcanos do Céu e da Terra, das manes e dos espíritos; o que implica a possibilidade de descobrir não somente os segredos do destino através de varinhas de aquiléia, mas também, e so­bretudo, os da manifestação inicial. É pre­ciso acrescentar que, por corresponderem a correntes de energia cósmica, os trigra­mas — em todos os tempos, e mesmo hoje em dia — são utilizados como proteção mágica: é possível encontrá-los sobre as portas das casas chinesas e vietnamitas.
O sistema de correspondência dos oito trigramas é, em resumo, o seguinte:
—  K'ien, a perfeição ativa — três traços yang (=), corresponde ao Céu, ao sul ao verão, à energia produtora, ao macho, ao Sol;
— K'uen, a perfeição passiva — três traços yin ( =  ), corresponde à Terra, ao norte, ao inverno,  à receptividade, à fêmea,  à Lua;
—  Tch'en, o abalo, corresponde ao trovão, ao nordeste, à chegada da primavera;
—  Siuan, a doçura, corresponde ao vento, ao sudoeste, ao fim do verão;
—  K'an, o abismo, corresponde à água, ao oeste, ao outono;
—  Li, corresponde ao fogo, ao leste e à primavera;
—  Ken, a pausa, correspondente, à monta­nha, ao noroeste, ao início do inverno;
—  T'uei, o vapor, correspondente ao pân­tano, ao sudeste, ao início do verão; tudo isso na disposição de Na de Wen-Wang, li e k'an, o fogo e a água, são sul e norte, Sol e Lua, verão e inverno, vermelho e preto; tch'en e t'uei, abalo e água parada, são leste e oeste, primavera e outono, ma­deira e metal, verde e branco. As duas disposições obedecem a sistemas distintos, po­rém não contraditórios.
No simbolismo alquímico, li e k'an representam ainda a colocação em ação dos prin­cípios k'ien e k'uen, celeste e terrestre. Eles são os dois elementos complementarei da Grande Obra: li e k'an são o chumbo e o mercúrio, o sopro e a essência (k'i e tsing). A morada de k'uen ou de k'an é a região sagrada de onde se eleva o tsing, o sêmen; a morada de k'ien é o ajna-chakra, situado entre os olhos, do onde desce o k'i luminoso. A união do ki o do tsing no crisol interior, portanto a de li e de k'an, e por conseguinte, de k'ien e do k'uen, reconstitui a unidade primordial, anterior à diferenciação do Céu e da Terra: assim se adquire a imortalidade. Segundo o I-Ching, is uniões constitutivas de hexagramas representam o final, ou a penetração fecundante da Terra pelo Céu, geradora da paz, seres e do Embrião da imortalidade.
Texto extraído de http://profeciasnet.com.br/

Arquivo-resenha - Extraneus Medieval Sci-Fi

A antologia Extraneus 1 Medieval Sci-Fi, foi a minha primeira - e até então, única :P - participação num livro editado "tradicionalmente" por uma editora. Publicado em 2010 pela Editora Estronho, de M. D. Amado, o meu conto "Demônio das Estrelas" foi um dos selecionados. Como naquela época ainda estava com problemas de identidade (rs), publiquei sob o pseudônimo REBIS KRAMRISCH. Sob esse pseudônimo, publiquei igualmente nas antologias independentes Beijos & Névoas e Beijos & Sangue, pelo selo Amor & Livros da escritora Jossi Borges.

Este livro, que foi realmente muito bom com uma temática nada convencional, foi resenhado por alguns blogueiros. Nem todas as resenhas fazem referência ao meu conto, mas as que fazem, transcrevo para cá apenas a parte que nos interessa, claro XD

Demônio das Estrelas – Rebis Kramrisch
Marlon é um garoto de 17 anos, albino, que vive na Comuna de Entremontes. Os aldeões estão preocupados com os rumores de que o Império Vermelho finalmente caminha naquela direção. Será que estão atrás do Ídolo de Metal? Ou a procura do Salvador? Não sabem que Marlon, que é dado como amaldiçoado por causa de sua aparência é a resposta para essas perguntas.
Uma coisa que me conquistou nesse conto, além da narrativa cativante, foi o uso de FC Japonesa: os mechas. O conto é muito interessante e envolve também aspectos de bruxaria.
Esta resenha foi uma feliz surpresa, escrita e publicada em 25 de agosto deste ano! Fiquei muito contente com a impressão que a Pricilla Rúbia, do blog Leitor Cabuloso, teve do meu conto ^^ Para ler a resenha completa, em que ela opina sobre os demais contos, clique no título do blog dela.
Entramos no conto Demônio das Estrelas, uma mistura de religião antiga, magia, profecia, tecnologia high-tech e ufologia. Um jovem diferente e excluído é aparentemente a salvação de um vilarejo. Aparentemente. Simples, mas sem deixar a desejar.
Este é um resumo publicado no blog Leitora Viciada, em 20/11/2011.
Apostando na diversão e oportunidades oferecidas pelos temas e atingindo resultados muito interessantes estão Simone O. Marques, com Punição; Gianpaolo Celi, em A Peregrina; Gadiego Silvestrini, com A Sepultura do Juízo Final; e Rebis Kramrisch, em Demônio das Estrelas. Cada qual com seu estilo e abordagem, facilmente conquistam o interesse do leitor.
Resenha por Júnior Cazeri, do Blog Café de Ontem, em 10/07/2011, no Skoob.
DEMÔNIO DAS ESTRELAS (Rebis Kramrisch) - O conto nos transporta para um mundo medieval, com pitadas da FC japonesa e outras tantas pitadas de FC brasileira. Seu estilo único dá contornos de um mangá (que ela desenha tão bem) coloridíssimo ao enredo de aventura e guerra de seu conto. Um jovem de dezessete anos, Marlon, torna-se mais que um herói na comunidade de Entremontes, no Mundo Arcaico, e cumpre a profecia ao pilotar o Demônio das Estrelas - um robô gigante deixado lá há centenas de anos. Muito bom!
Publicado no Skoob, em 28/02/2011, pela escritora Jossi Borges, sendo a primeira resenha do livro no site.
 (...)apresentam-se e representam muito bem essa nova geração de autores e autoras que começa a nos fascinar com competência e encanto. Entre eles se destacam Larissa Caruso, Claudia Zippin Ferri, Davi M. Gonzales, Rebis Kramrisch e Leonardo Pezzella.
Publicada em 16/03/2011 por Will, no Blog Arena Fantástica.
Demônio das Estrelas (Rebis Kramrisch): um jovem é escolhido para salvar seu povo de uma nação inimiga usando um robô gigante como arma. Não é brilhante, mas consegue prender a atenção.
Publicada em 10/02/2011, por Daniel Borba, no Blog Além das Estrelas. 
 Bem, essas resenhas foram as que encontrei falando do meu trabalho. Outras tantas foram escritas, mas como nada referente foi dito, simplesmente descartei a opinião - óbvio, já que a opinião geral não interessa >:D





27 de set de 2012

Prêmio Clube de Autores

Raptores está inscrito para o Prêmio Clube de Autores.
Dê a força do seu apoio votando na gente ^^
Agradeço de coração =D

Sobre o Pêmio

Dentre todas as carreiras existentes, a de escritor é das mais - senão a mais - difícil. Um escritor iniciante precisa conciliar uma árdua vida cotidiana com o ânimo e a inspiração para criar histórias envolventes, profundas e que despem a sua alma para leitores anônimos.
Escrever é se entregar de uma maneira plena. É registrar, em cada palavra, linha e parágrafo, um pouco de sua alma e de suas crenças mais profundas.
E- claro - ter um público leitor faz parte dos ideais de todo escritor.
O Clube de Autores nasceu, oficialmente, no dia 15 de maio de 2009 - tendo pouco mais de três anos de vida. Neste período, a proposta foi simples: dar a escritores de todo o Brasil a possibilidade de publicar as suas obras sem precisar pagar nada por isso. O resultado não para de superar nossas expectativas: já foram mais de 12 mil obras publicadas e centenas de milhares de exemplares vendidos neste curto espaço de tempo.
E, com esses resultados - a cada venda e a cada contato com autores - surgiram novas demandas.
Uma das principais delas está sendo repetida com este Prêmio, que já é um dos eventos que marcam o calendário da literatura independente nacional.
Do total de inscritos, haverá apenas 1 vencedor e 10 finalistas - sendo que estes exibirão em suas páginas de livros selos que, naturalmente, aumentarão a reputação dos mesmos. Com maior reputação e reconhecimento, mais vendas tendem a ocorrer - e a consolidação da carreira literária fica mais próxima.
Este é o conceito do Prêmio - que tem como premissas ser absolutamente gratuito e aberto a todos os autores do Clube que acreditam que as suas obras são retratos fiéis dos seus valores mais caros e profundos.

25 de set de 2012

Arquivo de Amigos: Manoel Virgílio Cortes

Pat e Manoel Virgílio, na Praça Afonso Pena, Tijuca (RJ), em 2006.
Encontrei fotos antigas escondidas dentro da memória da minha velha máquina digital, que nem sabia que estavam por lá, pois quando se coloca o cartão de memória naquela máquina, a memória original fica oculta. Bem, o importante é que descobri e recuperei preciosas fotos, que sequer me lembrava que foram tiradas. Surpresas boas também acontecem!

Então surgiu a ideia de fazer um tipo "álbum de família", montar uma espécie de arquivo de amigos que passaram, junto comigo, diante da lente daquela simplisinha câmera Olympus de 2 mp! Ou diante da lente do celular ou de outras câmeras que cairam em minhas mãos.

Iniciando este "Arquivo de Amigos", apresento uma foto antiga, que foi tirada numa tarde de 2006, na Praça Afonso Pena, aqui no Rio de Janeiro, ao lado do Amigo-Poeta-Sonetista-Professor Manoel Virgílio Côrtes, autor de 3 livros (Mulher Estelar, Tratos de amor e outros tratos, Terra em agonia) e do blog Meus Versos.

Eu fiz uma pequena homenagem a esse grande amigo no livro "Hybrida, Asas Negras", inspirando o floricultor que leva o seu nome, dono da floricultura em que Yashalom trabalha como jovem aprendiz.

Apesar da distância de contato, pois os bons tempos de Live Space e Orkut se foram, fica aqui o registro de um encontro muito legal com uma pessoa incrivelmente notória, dentro de sua grandeza e simplicidade ;)

Grandes saudades, amigo Virgílio!

24 de set de 2012

Tatu-bola: nosso Mascote da Copa de 2014

Futebol, copa e muito dinheiro destinado a essas tralhas à parte, a postagem é apenas para blogar sobre o nosso fofíssimo mascote, o pokemon brasileiro que representará a Copa de 2014 no Brasil.

O bichinho ainda não tem nome e você pode votar em um dos 3 (terríveis >.<) nomes que estão disponíveis para a escolha no site oficial da Fifa: Amijubi, Fuleco e Zuzeco (meu santo Cristo!).

O nome é horrível, o evento idem, mas o que nos interessa aqui é o mascote.

INSPIRADO no mascote anterior, o Zakumi, aquele guepardinho pra lá de fofo, da Copa de 2010 na África, o Tatu-bola vem com a dupla proposta de ser o embaixador da Copa no Brasil e um ícone da conservação da fauna brasileira - nessa, pelo menos, deram bola dentro!


    A Associação Caatinga, entidade sem fins lucrativos que trabalha pela preservação do bioma caatinga (localizado no Nordeste brasileiro, caracterizado por uma vegetação adaptada a um volume baixo de chuvas), está em festa em Fortaleza. A organização foi a responsável pela campanha para a escolha do tatu-bola como mascote. “A satisfação é grande. Temos uma ótima oportunidade nas mãos de contribuir, por meio da Copa, com o meio ambiente. A gente acredita que o tatu-bola é um porta-voz da necessidade de se proteger a caatinga”, diz Castro.

    Campanha
    Fim de janeiro de 2011. A Associação Caatinga estava reunida para identificar oportunidades e  discutir questões ambientais em virtude do Mundial. Surgiu, então, a ideia de propor uma mascote. “Quando disseram tatu-bola, houve um silêncio. Todo mundo concordou na hora. Ele é o único mamífero que assume o formato de bola. E a bola é protagonista da Copa”, conta Rodrigo.

    A ideia virou campanha na internet, especialmente nas redes sociais. Aos poucos, o apoio de sites, blogs, portais foi crescendo. A divulgação na mídia também. Primeiro, nos meios de comunicação de Fortaleza, sede da entidade, e do estado do Ceará. Depois, em âmbito nacional.

    “Percebemos que a campanha tinha potencial e decidimos oficializá-la. Redigimos um documento de 20 páginas e enviamos ao Ministério do Esporte, para o Comitê Organizador Local (COL) e para a FIFA. O tatu-bola é 100% brasileiro e a Copa é uma ótima oportunidade de divulgar a importância da preservação da espécie”, explica Rodrigo.

    Tolypeutes tricinctus
    Segundo a Associação Caatinga, há 11 espécies de tatu no Brasil. Mas a do tatu-bola, cujo nome científico é Tolypeutes tricinctus, é exclusiva do país e não ocorre em nenhum outro local. Uma espécie muito parecida - “um primo dele”, de acordo com Rodrigo, pode ser encontrada no Paraguai, Bolívia e norte da Argentina.

    Segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção (confira a íntegra da publicação), dos ministérios do Meio Ambiente e da Educação, a principal diferença em relação ao primo Tolypeutes matacus é a presença de cinco unhas nas patas anteriores do tatu-bola.

    Ao se enrolar e assumir o formato de bola, ficando estático, ele consegue se proteger de seus principais predadores na natureza, como a onça. Entretanto, contra o homem, as defesas são mínimas. Rodrigo Castro explica que, historicamente, a caça é o grande inimigo do tatu-bola. Mas, recentemente, o desmatamento, as queimadas e a expansão das áreas agrícolas vêm assumindo o papel de principal vilão na devastação da espécie.

    O tatu-bola é típico da caatinga e de áreas de cerrado próximas à caatinga.  Atualmente, pode ser encontrado em oito estados brasileiros: Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Goiás e Tocantins. Segundo a classificação utilizada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o tatu-bola está na categoria “vulnerável”, ou seja, corre alto risco de extinção na natureza em médio prazo.

    Rodrigo conta que ele deve ser reclassificado na revisão do fim do ano para a categoria “Criticamente em perigo”, quando a espécie corre risco extremamente alto de extinção em futuro imediato. “É a última categoria antes da extinção”, alerta.

         Projeto de conservação
    Faltam informações mais precisas sobre hábitos alimentares, ciclos reprodutivos e distribuição geográfica do tatu-bola. Essa necessidade de se conhecer mais a espécie, aliada à ameaça de extinção, motivaram a Associação Caatinga, em parceria com entidades internacionais, a criar um projeto de conservação da espécie. A proposta é elaborar pesquisas e estudos e promover a preservação do habitat do tatu-bola.

    Também estão previstas campanhas de educação ambiental, um plano de divulgação dos resultados dos estudos e o fortalecimento de entidades e redes de pesquisadores, para que tenham condições ideais de trabalho em campo e de desenvolvimento das pesquisas.

    “Vamos pedir apoio da FIFA ao projeto. Seria a primeira Copa que atrelaria a iniciativa ambiental ao mascote, ajudando a reduzir o risco de extinção”,  explica Rodrigo. De qualquer forma, a escolha do tatu-bola como mascote já é considerada uma vitória. “Para nós, existe um momento antes e um depois da escolha do mascote. A vitória não é só da associação. É do  tatu-bola, da caatinga e do meio ambiente”, finaliza.

Carol Delmazo – Portal da Copa


Não seria show ter um bichinho desses em casa, de estimação? Essa seria, sem sombra de dúvidas, a melhor opção antes da extinção, que é o que aguarda muito brevemente esta brava criaturinha, que é capaz até de se proteger da Dona Onça, mas extremamente  vulnerável à gula sádica do Sr. Homem.

Para mim, que não gosto de futebol e não tô nem aí pra copa, é admirável que tenham pensado nesta feliz ideia e iniciativa de usar um evento mundial para chamar a atenção do mundo para a Natureza refém dos Gulas - que, a bem da verdade, são eles mesmos, o povo que promove esses eventos milionários enquanto o mundo se explode.

22 de set de 2012

Hoje - Dia Mundial Sem Carro

Precisamos de oxigênio e não gás-carbônico. Precisamos de música, do som da vida, e não de roncos de motor e buzinas nervosas.

Um dia sem carro não fará muita diferença ao ambiente do planeta, mas servirá para refletir o quanto um carro é assim tão imprenssindível.

É necessário - e muito - uma política de transportes públicos mais ativa e competente, mas antes o carro tem que perder seu status de bem elitizado.

Neste sábado, 22 de setembro, o Greenpeace participará do Dia Mundial Sem Carro que propõe reflexão sobre o uso excessivo dos automóveis individuais.
O movimento que começou em algumas cidades europeias vem ganhando cada vez mais adeptos e tem como objetivo fazer com que as pessoas pensem sobre os problemas causados pelo uso intenso dos carros, principalmente, nos grandes centros urbanos. É também um convite ao uso de meios de transporte coletivos, de bicicletas, entre outros. 
Os automóveis individuais são cada vez mais criticados. Eles poluem e emitem CO2, um dos principais gases do efeito estufa, e não contribuem para a mobilidade da maior parte dos brasileiros. Ao contrário, engrossam e agravam os congestionamentos. As cidades são planejadas para servir aos motoristas e não privilegiam o transporte público.
Se você discorda dessa situação, participe do Dia Mundial Sem Carro. Deixe seu automóvel em casa e venha tornar o espaço reservado aos veículos em um lugar de convivência, reflexão e ativismo.
Local: Praça do Ciclista na Av. Paulista
Dia: 22/09
Horário: 10h às 14h (Alteração feita para dar espaço a outras atividades)
*programação sujeita à alterações em caso de chuva

Confirme a presença no evento pelo facebook, identifique-se com um dos voluntários presentes  no evento e ganhe um adesivo especial.

21 de set de 2012

Hoje - Dia de Mobilização pelas Árvores

Tenho enorme paixão por árvores. Meu sonho (daqueles que são só sonhos mesmo, pois são impossíveis de realizar) é morar num sítio completamente arborizado ou morar num bairro cujas ruas sejam repletas de árvores e canteiros de plantas e flores. E esse amor pode ser comprovado em várias de minhas histórias, em que sempre há muita área verde, seja urbana, seja campestre. O bairro que Yashalom mora (de "Hybrida, Asas Negras"), Bosque, é o meu bairro perfeito idealizado.

Quando vejo uma árvores destruída, vejo galhos e troncos cortados, é o mesmo que ver um corpo humano esquartejado. E hoje é isso que mais vemos por nossas ruas e bairros. As árvores se tornaram vilãs aos olhos cegos do nosso povo inconsciente: elas destroem calçadas, arrebentam fios, sujam o chão. E esses olhos cegos apenas enxergam o que querem ver, mas não enxergam que as calçadas destruídas e os fios arrebentados são, antes de tudo, imprudência do próprio povo inconsciente.

Então, cortam-se as raízes-âncoras das árvores e mutilam suas copas, transformando a área urbana ainda mais depressiva e horrorosa. E ninguém pensa nas raízes que foram cortadas ou nas "podas" pessimamente feitas, que causam o desequilíbrio de peso das copas, quando uma árvore desaba com um vento mais forte.

Aqui no Rio de Janeiro, então... a atual prefeitura vem cometendo verdadeiro genocídio à área verde da cidade, já tão escassa. Podas agressivas que acabam com as copas das árvores quando não são inteiramente cortadas. Praças que desaparecem sob galpões que se dizem ser postos de saúde, mas que muito mal há o serviço e os profissionais para executar a tarefa.

Pois bem... hoje é o DIA DA MOBILIZAÇÃO PELAS ÁRVORES, movimento promovido pelo Greenpeace. Apesar do meu desabafo ser em relação às árvores urbanas (tão ou ainda mais maltratadas que as das áreas florestais), o movimento é em prol da Campanha Desmatamento Zero.

A mobilização se concentrará pelas redes sociais das 15h às 22h. Através deste link do Facebook, você poderá ajudar na campanha e assinar a petição para frear, definitivamente, o avanço da destruição de nossa sagrada riqueza: as árvores e as florestas!

Conto - K'ien, o Céu em ação

Cartas de Tarô do I-Ching ilustradas por Luis Royo
Há meses eu vinha planejando esta postagem, de que ela seria uma notícia maravilhosa para passar aos Leitores do Blog, mostrando uma porta que se abria e as energias que fluiriam, finalmente.

Seja por prepotência, arrogância, ingenuidade, excesso de positivismo ou excesso de confiança no meu trabalho, a verdade é que eu tinha muita certeza de que daria aqui essa boa notícia.

Mas não rolou.

Há alguns meses, escrevi um conto que foi, até agora, a única história que escrevi este ano, para a participação de um concurso literário promovido pela Editora Draco. E dentro da minha tola-prepotente-positivista ingenuidade, acreditei que o texto seria selecionado. Ontem saiu o resultado e foi com choque que vi que não havia sido classificada.

Sim, para mim foi um baque. Patético, né? Certamente é a paga por minha arrogante esperança.

Com mais esse resultado negativo, encerro por aqui, definitivamente, a minha participação em concursos literários. Tudo bem, ninguém vai perder nada com isso (e nem eu).

Porém, ainda careço de muito material para compôr mais uma coletânea ao estilo da Contos Sem Classe (composta com contos tão desclassificados quanto o K'ien), mas não quero manter K'ien no ineditismo (por razões que a Jossi e eu andamos confabulando), então o conto está publicado no Fiction Press, que oferece uma forma mais confortável de leitura, ideal para textos mais longos como contos e capítulos de romances.

As influência em K'ien são várias - pois, como todos que me conhecem, sabem: não finjo originalidade e nem escondo as minhas inspirações. Sou arrogante, tola, patética e ingênua, mas não a esse ponto!

I-Ching - Arte divinatória e filosófica originada na China Antiga;
O livro "A fuga dos inocentes", de Liu Yutang;
Os arquétipos dos Deuses Yorubanos na construção dos personagens "deuses-dragões";
Mangá e anime, que não preciso mencionar, pois que eles são a própria influência na minha escrita ^^

Além das influências, há também pequenas referências a tratados de magia e ritualística encontrados nas religiões espiritualistas, como banhos, ebós, hierarquias espirituais, regências e elementos.

Bem, chega de conversa. Segue o link do conto:

Será que, ao menos, o conto vale uma leitura online?

Atrevo-me a esperar que sim...

20 de set de 2012

Tempo Paralelo - Banner por Jossi Borges

 
 
Para começar super bem esta (menos) calorenta quinta-feira, apresento o mimo feito e presenteado pela amiga escritora Jossi Borges, para o livro Tempo Paralelo.
Jo: hoje já disse que te amo??!

19 de set de 2012

Homenagem a Paulo Freire

Paulo Freire - Educador e Filósofo - * 19/09/1921 + 02/05/1997
Hoje Paulo Freire completaria 91 anos se ainda caminhasse neste Mundo.
Educador e Filósofo, foi dos maiores expoentes da educação no Brasil, influenciou o Movimento Pedagogia Crítica e é considerado, ainda hoje, um dos pensadores mais notáveis da Pedagogia a nível mundial. Em 13 de abril deste ano, foi declarado por Lei o Patrono da Educação Brasileira (que muito necessita aprender com as ideias dele!).

Um Iluminado nascido na nossa terra!

Conheça mais de Paulo Freire:
Wikipedia
Centro de Estudos e Pesquisas
Biblioteca Digital (com obras para download gratuito)

Obras:
A propósito de uma administração. Recife: Imprensa Universitária, 1961.
Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. Estudos Universitários – Revista de Cultura da Universidade do Recife. Núm 4, 1963: 5-22.
Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.
Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970.
Educação e mudança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979.
A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora, 1982.
A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.
Pedagogia da esperança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1992.
Política e educação. São Paulo: Cortez Editora, 1993.
Cartas a Cristina. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1974.
À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1995.
Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.
Mudar é difícil, mas é possível (Palestra proferida no SESI de Pernambuco). Recife: CNI/SESI, 1997-b.
Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000.
Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

“Eu gostaria de ser lembrado como alguém que amou o mundo, as pessoas, os bichos, as árvores, a terra, a água, a vida.”
(Paulo Freire)

15 de set de 2012

Fantasticon 2012


Fim de semana chegou e com eventos legais no cirquito Rio / São Paulo.

No Rio de Janeiro, desde quinta-feira, temos o ArtRio Edição 2012, que trás vários eventos em conjunto, como exposições, instalações, apresentações, nos armazens do Pier Mauá, Zona Sul, Centro e Morro da Conceição, com sua própria edição "ateliers de portas abertas".

Em São Paulo tem o Fantasticon, Simpósio de Literatura Fantástica, que está em sua sexta edição. Começa neste final de semana e se encerra no próximo, tendo quatro dias de palestras, oficinas, batepapos, venda e troca de livros. Você pode conferir a programação completa aqui ou entrar no site oficial e descobrir tudo que vai rolar por lá.

Bom final de semana o/


14 de set de 2012

Fantasticon > BookCrossing > Raptores

Fantasticon > BookCrossing > Raptores - o que tem a ver essas três coisas juntas, afinal? Já vou explicando:
Fantasticon é o Simpósio de Literatura Fantástica que acontecerá em São Paulo em dois finais de semana: 15, 16 e 22 e 23 de setembro, esse próximo fim de semana e mais o outro.
BookCrossing é um movimento global de trocas de livros, que visa transformar o mundo numa biblioteca de portas abertas.
Raptores você já deve tá cansado de saber, já que vira-e-mexe eu apareço aqui no blog falando deles.
Agora juntando: Fantasticon > BookCrossing > Raptores = o livro "Raptores, Ep. 1", estará liberado para captura na zona do BookCrossing do Fantasticon, à partir das 13 horas, aos cuidados da Escritora e organizadora Martha Argel, a quem tive o prazer de finalmente conhecer "pessoalmente" na net e que está dando a maior força para receber e liberar o livro para mim ^^
Então: aí está MAIS UMA chance de você ler a história de Rap 1. Se for pintar lá no Fantasticon, dê uma olhadinha na zona do BC e... se o livro ainda estiver lá dando mole, capture!
Se vc o capturar, não deixe de fazer as suas anotações no diário do BC, pois é esta também a proposta do Movimento: a de fazer interatividade entre os leitores =]
Boa viagem!

13 de set de 2012

ArtRio 2012

O Rio de Janeiro não é só mais praia e carnaval, nem apenas obras-sem-fim, UPPs, funk e devastação ecológica urbana.

Agora os bons ventos de Yansã sopram, fazendo da Cidade também a Capital das Artes no Brasil, mostrando que tem arte e cultura, que tem porte e estrutura para sediar eventos desse nível - se depender da iniciativa privada, obviamente, como é o caso.

Começa hoje, dia 13, e vai até domingo, dia 16, a segunda edição do Movimento ArtRio, a Feira Internacional de Arte Contemporânea do Rio de Janeiro. Mas essa Feira não ficará restrita aos enormes armazens do Pier Mauá. Como os próprios organizadores poetizam, o Rio inteiro é uma Arte, em suas paisagens, em sua arquitetura, em sua forma, em sua atmosfera. Então, vários pontos da Cidade serão galerias públicas, da Zona Sul ao Centro, sendo que quatro armazens no Pier Mauá sediarão quase 100 galerias temporárias de artistas de vários lugares do mundo.

O ArtRio poderá ser usufruído por quem quiser, estando ou não bem munido para tal. As exposições, oficinas, lançamentos de livros, palestras e demais atividades nos armazens do Mauá terão entrada única de R$ 30 e R$ 15. Os programas fora serão gratuitos, é só acompanhar a programação paralela que contará com visitações a museus e galerias, saraus, performances, inclusive com o portas abertas dos ateliês do Morro da Conceição.

Para melhores informações, acesse os links:


O MOVIMENTO ARTRIO

No Rio de Janeiro, a arte está em toda parte. Na arquitetura, na paisagem, no pôr do sol. Nos prédios, galerias, museus, estátuas de homenagens e esculturas de areia.

E o Movimento ArtRio vai abrir caminhos para levar até o carioca e seus visitantes, toda a arte que o Rio de Janeiro tem para mostrar. Não apenas durante a feira, mas 365 dias por ano.

Através dos circuitos artísticos, vamos mapear todo este território criativo com as dicas e opiniões de especialistas e amantes das artes. Em nosso portal, estarão conteúdos atuais e agendas de eventos na cidade e no mundo. Nas redes sociais, um espaço para escrever impressões e interagir. Nossa agenda ainda inclui ciclos de palestras, intervenções artísticas, mostras paralelas e muito mais!

Em 2012, nosso projeto mais ousado é trazer a arte para o dia a dia das pessoas. Junte-se a nós. Faça os circuitos, fotografe, comente, compartilhe com seus amigos. Este amplo acervo é de todos e nosso Movimento é uma grande celebração.

O Rio é arte. O tempo todo. Em toda parte.

12 de set de 2012

Movimento BookCrossing

 Por séculos, no Ocidente tiranizado pela Igreja, os livros foram considerados armas perigosas que deveriam ficar restritas aos mosteiros e, mesmo assim, poucos eram os "confiáveis" que podiam fazer uso de tais "armas", até que o iluminado alemão Johannes Gutenberg inventou a prensa móvel, revolucionando para sempre o mundo dos livros e o mundo dos homens.

Isso foi no Século XV. Hoje, quase 600 anos depois, a impressão é algo tão banal que podemos até fazer em casa.

E os livros, então? Se tornaram tão fáceis de adquirir, que hoje se encontra até mesmo jogados nos lixos, por mais imoral que isso possa parecer (assim como outras imoralidades, de preciosos diversos descartados como lixo).

Estamos no Século XXI, no início do século das facilidades, em que livros se tornaram dados eletrônicos que podem ser lidos até no celular, mas que a sua forma original, a da impressão em papel, ainda não perdeu o seu espaço e o seu charme. Em quase todas as cidades há pelo menos uma biblioteca pública, e só não empresta livros quem não quer ou quem não sabe ler.

Ademais, mesmo que todas as cidades possuíssem sua própria biblioteca pública, para os amantes da Literatura isso ainda é pouco. Aquele que ama verdadeiramente não quer reter, mas compartilhar. E transformar o mundo numa biblioteca livre é a intenção primária do Movimento BookCrossing.

O BookCroosing (BC) é um movimento que foi criado - ou, melhor dizendo, organizado - em 2001 por Ron Hornbaker e, de lá para cá, cresceu a nível global. Hoje são mais de 800 mil bookcrossers (os praticantes do BC) e mais de 6 milhões de livros liberados em todo o mundo, sendo que Cingapura é o país oficial do movimento, com seus mais de 2 mil postos de liberação e captura de livros, os chamados OBCZ (Official BookCrossing Zone ou Zona Oficial de BookCrossing).

 Porém, como todo movimento humanitário que preste, esse também não saiu ileso das críticas do Povo do Contra. Obviamente que, quem se meteu a criticar tamanho movimento de fraternidade e interatividade entre as pessoas, foram os Gulas, a pior raça do Povo do Contra. Os Gulas são aqueles sujeitinhos gananciosos que visam somente e unicamente o dinheiro, acreditando que este dá poder e imortalidade. Afirmaram que o BC contribuiria para a redução de lucros dos autores... A-hã, tá.

Como os Gulas são seres irracionais (não propriamente animais, porque animais são criaturas divinas e nobres, logo não são gulosos), não raciocinaram que esse BookCrossing é uma excelente ferramenta de divulgação dos livros e, consequentemente, das ideias contidas nos livros e de seus autores.

Quando soube a respeito desse Movimento, a primeira coisa que brilhou na minha mente foi exatamente essa: "que ótima oportunidade de fazer os meus livros circularem de mãos e mãos, fazê-los conhecidos!"

Portanto, tal e qual a ideia anterior de fazer doações de livros de minha autoria para algumas bibliotecas, essa ideia do BC veio a somar, tendo o espectro de uma biblioteca mais o dinamismo da liberdade que o livro terá ao estar solto na estrada, não ficando restrito a um único ponto.

Um livro já disponibilizei, registrando no site oficial do BC:

Falta apenas que seja liberado - e torcer para que caia nas mãos certas, de pessoas conscientes que farão valer as "regras" do Movimento, que é de deixar registrado o andamento do livro em suas mãos, através do site, onde é possível criar um "diário de viagem" em que se terá as informações de onde e como anda o livro, sabendo por onde ele passa e que histórias e aventuras serão contadas sobre ele.

A mim, me parece uma excelente ideia para se compartilhar um bem tão precioso quanto os livros, não os restringindo egoisticamente à prateleiras domésticas empoeiradas de onde, talvez, ele jamais saia.

E, também, uma excelente forma de divulgar autores novos e livros independentes. Muito mais vale um livro rodando por aí, pelo mundo, do que disperdiçá-lo com sorteios que, no fim, só se mostram inúteis a nível de divulgação do que é novo.

Assim como os livros para as bibliotecas, conforme eu for liberando os para o BC, estarei atualizando o paradeiro deles aqui no Blog.

E, falando em doação para bibliotecas, em muito breve haverá livros meus na Biblioteca de Laranjeiras (RJ). Aguarde a confirmação ;)

10 de set de 2012

Prefácio - Contos Sem Classe, por Jossi Borges

Aproveitando a ideia dos "arquivos-resenhas", estarei postando também os prefácios de alguns dos meus livros, que acabam servindo também como resenha (embora sejam lisonjeiros demais para uma resenha, rs).

Então, o prefácio de hoje é da coletânea "Contos sem classe, Textos sem curso", o primeiro livro que preparei e publiquei pelo Clube de Autores.

E quem me deu a honra de revisar a obra, ajudar a montar o livro e ainda prefaciar, foi a super talentosa escritora e folclorista Jossi Borges, minha manamiga do Paraná ;)

    Dentro de uma seleção de contos tão variada, podemos sentir, de forma soberba, o estilo colorido e luminoso de Pat Kovacs.

    Em todos os seus trabalhos flutua de maneira quase palpável uma névoa delicada de lirismo, poesia e sentimentos, que se entrelaçam e dão relevo a cada linha e palavra, transformando seus contos, narrativas e mini-contos em viagens oníricas onde nossos corações são dominados e sujeitados à beleza das emoções. E são diversas essas emoções, são diversos os sentimentos, mas predominando sempre a emoção suscitada pelo inusitado e pelo original. Alegria, curiosidade, romantismo, lirismo, suspense, ternura, adrenalina. Não é fácil analisar a obra de Pat; não se pode resumir o que cada conto nos transmite, exceto se usarmos a palavra “emoção” como sinônimo de fantasia-magia-amor, como se essas três palavras fossem uma única.

    Nesse belo trabalho, que reúne diversos temas nos quais ela tem trabalhado nos últimos meses – e que eu posso me gabar de conhecer, já que tenho o privilégio de ter lido muitos deles – temos exemplos perfeitos do que foi dito acima. Amor, lirismo e sensibilidade afloram no conto Amores Platônicos, onde ela descreve o amor não consumado como uma espécie de lição para os jovens e adultos que se deixam atrelar às convenções sociais estéreis. Gaiola Dourada, Morte Antiquada e Fogueira de São João e Seu Antônio tem o mesmo toque lírico, em que o amor, em qualquer de suas formas, é enaltecido, seja o amor pela vida, liberdade e natureza (Gaiola Dourada), o amor pelo trabalho e pelos objetos de valor afetivo (Morte Antiquada) e o amor pela família (Fogueira de São João e Seu Antônio).

    O terror, gênero tão difundido e bem aceito, tem seu representante nesta coletânea, com os contos Demônios nas Sombras, Espuma Branca em Céu Azul e Vovô Coveiro. No primeiro, o suspense que cativa o leitor, um estremecimento de medo a cada linha, onde o impensável pode acontecer, e de fato, acontece.

    Espuma Branca em Céu Azul tem o tom poético entremeado de sugestivas impressões que levam o leitor, lentamente, ao desenlace súbito e assustador, mas de certa forma, muito realista. Vovô Coveiro é um mini-conto onde o terror nada tem de sobrenatural, mostrando uma dura realidade de nosso dia a dia.

    A ficção científica de Pat em seu representante no excelente conto Do Pó ao Pó. Uma maneira original de mostrar a FC brasileira, Snake inspirou-se nos mangás e na literatura japonesa de ficção, criando mundos pós ou pré-apocalípticos, onde a ciência e a magia se mesclam.

    Em sua tríade Metamorfoses, a magia sobrenatural está presente, bem como o Amor, novamente representado em três formas distintas e igualmente belas: Casulo & Mortalha, o amor à natureza e o esplendor da vida que renasce nas asas da borboleta e do anjo; Momento Efêmero, o amor adolescente pela magia do mundo das fadas e entes sobrenaturais; e finalmente, em Crianças de Deus, o amor aos animais, representados pelos pombos, tão injustamente maltratados pelo seres humanos.

    Foi um grande prazer ler essa coletânea de Pat Kovacs, e um privilégio ser a sua prefaciadora.

    E, tenho certeza, ninguém ficará indiferente a tantas manifestações distintas das emoções mais profundas do coração humano, presentes nos belos contos aqui escritos.
Jossi Borges
Escritora e editora dos blogs:
Romanzine
Romances Fantásticos, Góticos e Sobrenaturais
Amor & Livros

6 de set de 2012

Arquivo-resenha - Projeto Encantados, por Jossi Borges

O Arquivo-resenha para este findão é do Projeto Encantados, resenhado e publicado pela escritora Jossi Borges, em seu blog Romances com tema Sobrenatural, em 28 de junho de 2012.
O Projeto Encantados é uma coletânea com as séries do projeto, está disponível em dois formatos: ebook para leitura online e livro impresso para venda pelo Clube de Autores (os dois links encontram-se na coluna esquerda).

O QUE ACHEI:

Como a autora explica na abertura da obra, o livro, à venda na Agbook, é uma apresentação, uma "palhinha" do que serão os episódios futuros de quatro séries fantásticas e sobrenaturais, todas envolvendo situações e temas ao mesmo tempo familiares, para o leitor de fantasia, e novas - pela originalidade com que a autora teceu suas tramas, personagens e cenários.

Eu fiquei impressionada e agradavelmente surpresa com a facilidade com que ela juntou, numa mistura muito criativa, a nossa cultura, brasileira, com a cara que a mesma tem, de verdade: nada de mitos importados. Nada de "metamorfos" à la Lora Leigh, Stephanie Meyer ou similares. Nada de vampirinhos branquelos e românticos, à moda "crepúsculo" que causou tanto frisson, no bom e na mau sentido, mas que atualmente já nem são mais lembrados. Nada de "demoninhos" em forma de gentis cavalheiros europeus. Nada disso! Pat Kovacs nos mostra um mundo bem brasileiro, embora nem por isso menos charmoso que os sobrenaturais enlatados, tão em voga ultimamente.

Amaldiçoados é uma história (série) em que uma jovem chamada Mohini Mahamaya (nome sânscrito) se torna caçadora de vampiros. A primeira cena do episódio piloto é chocante, poderosamente comovente, mostrando o verdadeiro terror que tinge a alma de uma criatura das trevas. Mohini vê a morte causada por um vampiro, e o leitor, embevecido e estarrecido, vai sofrer junto com ela e, ao mesmo tempo, torcer por ela e pelo jovem mago Henrique - que terá grande importância na sequência da série.
Filhos do Diabo é algo que nos remete, de certa forma, ao universo potteriano, com uma jovem dotada do poder de ver auras, Maria Padilha e um mago poderoso, Pedro Botelho. A primeira cena lembrou-me uma das cenas em que Harry Potter se depara com os Dementadores. Porém o estilo de Pat é todo brasileiro, brasileiríssimo, e esse diferencial torna a história deliciosamente familiar: O cenário é brasileiro, de uma cidade brasileira e de clima quente, enquanto o desenrolar da ação mágica é descrito de forma mais profunda e mística do que qualquer cena escrita por J. K. Rowling.

Orixás - Esse conto vai nos apresentar a uma miscigenação absolutamente original: A jovem nissei Foluke, filha de uma japonesa e de um babalaô carioca será a protagonista, à altura de qualquer "Buffie", "Anita Blake" e afins. Uma poderosa e bem treinada filha dos orixás afro-brasileiros e das lutas marciais japonesas, ela se apresenta como uma lutadora perfeita. A cena que o episódio piloto mostra é cinematográfica: A luta da jovem contra os perigosos demônios do baixo astral, encarnados em formas monstruosas. O estilo de Pat impressiona aqui pela originalidade da trama, do enredo e dos personagens, tão brasileiros e totalmente longe dos clichês conhecidos em histórias desse tipo, uma mescla dos poderes dos antigos samurais japoneses com os orixás brasileiros. Adorei!
Raptores - O conto que abre a série já é meu conhecido, por ter sido publicado, pela primeira vez, em uma das nossas antologias "Beijos", organizada por mim e pela própria Pat Kovacs, em 2010. Aqui, a vez é dos metamorfos. Uma cientista, Luzmarina, atrai a atenção de um homem-lobo, Blasco Uchoa e ambos acabam se apaixonando. O tom de romantismo é agradável, mas não é a única tônica da história, que mostra vilões humanos e metamorfos em um conto repleto de ação, suspense e aventura, dignos de um dos melhores seriados de tevê.

Quem quiser, confira o livro, à venda aqui, e não deixe de comentar. Lembremo-nos que podemos dar um upgrade na literatura brasileira fantástica, mas isso só será possível se começar pelas atitudes dos leitores. Grandes talentos estão aí, basta serem reconhecidos!
OBS.: A continuação de "Raptores" já foi publicada, está aqui.
 :)

5 de set de 2012

Dia da Amazônia - 5 de Setembro

Hoje se comemora o Dia da Amazônia, uma data criada para conscientizar a população do mundo da irrefutável importância dessa que é a maior e mais antiga floresta ainda não totalmente devastada.

Não totalmente, mas isso poderá mudar muito rápido se tudo que é feito em termos de destruição não parar.

Somente os ingênuos ou os de má fé afirmam que destruir uma área florestal é necessário para o progresso e desenvolvimento. Isso já foi, sim, há muito tempo. Há muito tempo que áreas completamente selvagens precisaram ir abaixo para que o bicho homem pudesse se "desenvolver" e "progredir", e ainda assim, não tão necessário, afinal os povos da terra sempre viveram e muito bem estando inseridos nos meios naturais.

Tirando as necessidades biológicas, TODAS as outras são apenas criações da grande ilusão humana. E aqui estamos nós, inseridos no Mahamaya, a Grande Ilusão, acabando com a nossa saúde física, mental e espiritual por alguns trocados ou bugigangas mais perecíveis que a nossa própria carne.

E o verdadeiro "progresso" e "desenvolvimento" sempre vai parar nas mãos de apenas meia dúzia de exploradores. Desde que a humanidade é essa coisa desconectada com o Grande Cosmos, é assim: o abate de milhões para benefício (real) de um punhado. E se houvesse verdadeira justiça social, equilíbrio, não haveria pessoas passando necessidades (as reais, claro), pois todos teriam a sua alimentação em quantidade apropriada e saudável, todos teriam sua água potável para beber e limpar, todos teriam panos adequados para proteger o corpo, todos teriam a sua casinha e, de quebra, uma floresta no quintal.

Afinal, Deus criou tudo para que nada faltasse a ninguém. Para que houvesse Vida, e Vida em abundância, pois, como poderá perceber, a Natureza é riquíssima e nela ninguém passa fome, sede ou padece de doenças. E se hoje há áreas naturais que sofrem a miséria, isso vem de um longuíssimo período de exploração humana.

Por hoje ser o Dia da Amazônia, o Greenpeace aproveita para fazer uma campanha, que é o "Dia de mobilização pela Amazônia". Participe com a sua assinatura.

Acredite, o que tem que progredir é o Espírito - é a nossa mente, nós mesmo como pessoas, para nos tornarmos melhores, justos e bondosos. Pois o mundo só se transformará para melhor quando nós nos transformarmos para melhor. E sendo pessoas melhores, sãs e equilibradas, não teremos mais falsas necessidades para suprimir as nossas próprias carências psico-emocionais. Equilibrados, sem carências, não precisaremos mais de válvulas de escape nem fugas emocionais - não precisaremos nem mais da Literatura, pois apenas nós mesmos e nossas histórias, nos bastaremos.

Feliz Dia da Amazônia o/


4 de set de 2012

Arquivo-resenha - Tempo Paralelo, por Milla Palmeira

O Arquivo-resenha de hoje trás a resenha feita pela amiga Milla Palmeira, do blog parceiro Daily of Books, e que foi publicada em 29 de fevereiro de 2012 (um dia auspicioso, uma vez que ocorre apenas a cada 4 anos... talvez seja algum presságio de que TP ainda será comentado daqui ao próximo ano bissexto, rs).
 
Bom meus amigos, posso dizer que amei o livro à partir da dedicatória contida nele, e o que mais achei legal também é a explicação contida no Prólogo sobre tempo paralelo.
 
Á principio somos apresentados a Evangelina, uma feiticeira poderosa, destemida, que não tem medo de nada e enfrenta varias situações que qualquer impuro não suportaria, faz questão de continuar sua vida e seus estudos normalmente apesar da guerra.
 
Hardock Lobo é seu ex-professor e feiticeiro poderoso, conhecedor das artes obscuras e espião do Resistência Autônoma, infiltrado no Exército Negro, á principio o achei chato e ranzinza, apesar de suas constantes “guerras pessoais” quanto a Evangelina. Gostei mais do Jovem Lobo.
 
Lobo sente uma atração por ela, mais não sabe por que isso esta acontecendo, presente que deve protegê-la e que algo de ruim vai acontecer.
 
Logo depois Evangelina é atacada numa loja de antiguidades e o inevitável acontece, ela é salva por Lobo Jovem em 1991, quando ele ainda era um Soldado Escuro, e quando ela acorda leva um susto enorme, pois não conhece nada e aos poucos percebe que não esta em 2012. Evangelina reconhece alguns traços no Jovem lobo e não demora a perceber o que esta acontecendo e por que esta ali, ela tenta a todo custo salvar o Jovem Lobo das trevas e aos poucos eles vão se envolvendo, apesar de ele achar que ela pode ser uma espiã, por saber de mais de sua vida.

Quer me dizer que você, a sua presença, vai contra todos os ideais que eu acreditava serem os certos a seguir. O que você é tem me mostrado a estupidez que eu venho cometendo em nome desse ideal absurdo!”

“... e justamente alguém como você me fez despertar sentimentos que jamais imaginei possuir, como se algo em mim voltasse a viver... e não quero que isso acabe!”

Vamos intercalando na história entre 1991 e 2012, e aos poucos a memória do Lobo de 2012 vai ganhando espaço à medida que as coisas vão acontecendo em 1991, por que poderíamos pensar se Evangelina conheceu o Jovem lobo no passado, por que ele a trata tão mal?
 
Lobo fica preocupadíssimo com Evangelina, pois se ela não voltar para o presente, ela pode morrer, é uma aventura, ação, suspense, é muito bom, e vamos lendo o livro para saber cada vez mais, sofremos junto com o Lobo do presente vivendo todas as experiências de 1991 novamente e como se fosse a primeira vez, extasiado de amor e ao mesmo tempo preocupado com Evangelina.

“Você precisa voltar, Evangelina, precisa ir até ao antiquário... Precisa voltar pra Aland o quanto antes... Por favor, retorne... Você tem muito o que viver ainda, muito!”

Sofremos com Evangelina na sua luta do que contar ao jovem Lobo para não alterar seu futuro, sua angustia quando as Trevas parecem possuí-lo.

Eu recomendo muito este livro, é uma leitura empolgante e emocionante!!
Obrigada Pat, por me proporcionar esta linda experiência!! ^^
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...